Hackers que fizeram História

 

 

Captain Crunch


John Draper, o Captain Crunch, é considerado o inventor do
phreaking. No início dos anos 80, ele usava um simples apito de
plástico para produzir o tom de 2 600 Hz, capaz de
enganar o sistema telefônico americano. Assim, fazia ligações de
graça

Watchman

Kevin Poulsen, o Watchman, era um especialista em telefonia de rara
habilidade. Em 1990, ganhou um Porsche num concurso realizado por uma
emissora de rádio da Califórnia. O prêmio era para o 102º ouvinte que
telefonasse. Poulsen invadiu a central telefônica, interceptou as ligações e
garantiu seu prêmio. Passou quatro anos na prisão e hoje é diretor do site
Security Focus.

 
 Analyser

O israelense Ehud Tenebaum, o Analyser, foi preso em 1998, após ter participado de um bem
organizado ataque contra os computadores do Pentágono. Seus companheiros de conspiração
eram dois jovens de Israel e mais dois da Califórnia

 

 
 Mafiaboy

Aos 15 anos, o canadense Mafiaboy confessou ter orquestrado os ataques de indisponibilidade
de serviço que derrubaram sites como Yahoo!, CNN e ZD Net em fevereiro deste ano. Como
Mafiaboy é menor de idade, o processo judicial contra ele vem sendo movido em sigilo pela
Justiça canadense, e pouco se sabe sobre ele.

 
 Phiber Optik

Mark Abene, o Phiber Optik, invadiu inúmeros computadores entre 1989 e
1992. Ele fazia parte do grupo Masters of Deception, que travou uma guerra
contra a equipe rival Legion of Doom. Preso, Abene ainda atraiu a simpatia de
centenas de pessoas, que foram a uma festa em sua homenagem em Nova York.
Hoje é consultor de segurança.

 
Kevin Mitnick

O mais famoso dos hackers chegou a roubar 20000 números de cartões de crédito e passeava
pelo sistema telefônico com total desenvoltura. Foi o primeiro hacker a entrar para a lista dos dez
criminosos mais procurados pelo FBI. Depois de quatro anos na prisão, Mitnick está agora em
liberdade.
Vladimir Levin

O Russo Vladimir Levin é o ladrão digital mais notório da História. Ficou famoso quando invadiu
os computadores do Citibank e desviou 10 milhões de dólares de contas de clientes. Levin foi
preso na Inglaterra, quando tentava fugir do país. Ele dizia que um dos advogados alocados para
defendê-lo era, na verdade, um agente do FBI.